Agenda


07/03/2015 - Lançamento do Livro Mulheres Incríveis no Conexão das Artes às 18h
12/03/2015 - Lançamento do Livro Mulheres Incríveis no Museu Arte e Vida(Duque de Caxias)às 14h
Mar de Culturas no Quiosque da Globo às 19h
14/03/2015 - Lançamento do Livro Mulheres Incríveis no Sarau Mulheres de Pedra (Pedra de Guaratiba) às 19h
21/03/2015 - Apresentação do Livro Mulheres Incríveis no Sarau Dedinho de Prosa (CIEP Julio Caetano)
23/03/2015 - Lançamento do Livro Mulheres Incríveis em Cabo Frio
26/03/2015 - Lançamento do Livro Mulheres Incríveis no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ às 13hs.
29/03/2015 - Evento de Lançamento do Projeto A Cor da Palavra, com o Poeta Sérgio Alves e a Banda DSD. 16h

domingo, 21 de dezembro de 2014

O Medo da Morte



Quem é a morte? Você a conhece? Quem a batizou? Sei que não se deve começar um texto com tantas indagações, porém o título já nos faz congelar, e você sabe por quê? Acho que irei abordar uma questão que vem me afligindo a cerca de mais ou menos um mês e ontem conversando com um amigo ele me disse: “Não sei te responder se tenho medo da morte, mas sei de uma coisa, qualquer um pode morrer, ter um infarto de repente, ser atropelado, uma bala perdida, enfim, não só quem está enfermo”.
E aí parece que o mundo se abriu novamente diante de meus olhos, porque vou confessar uma coisa a vocês, até o momento desta conversa, eu achava que poderia bater de frente com a morte a qualquer momento, e comecei a fantasiar tudo, como seria e o enterro, e minha filha, com quem ficaria, aí fui mais longe, já que estou prestes a morrer vou escrever meu obituário, e as loucuras diante da possibilidade de morrer não paravam, pensava, será que irei ao meu enterro, e meu espírito dormirá junto com meu corpo, ou irar vagar por aí, e se eu descobrir que acabou e pronto, não tem vida após a morte. Diante de tudo isso o diálogo me fez muito bem, e acordei hoje com vontade de viver até que a morte chegue, não posso viver pensando nisso, se não acho que ela largará seus afazeres e virá até mim antes do tempo. Bom quando nos entendemos por gente e ficamos sabendo o que é a morte, claro não queremos morrer mesmo sabendo que é a única certeza que temos na vida, e começamos a viver do jeito que dá, depois do jeito que queremos e quando recebemos a noticia de que estamos doente passamos a viver assombrados, pensando que tudo irá acabar num passe de mágicas, mas não é assim, acredito que tudo tem seu tempo, até a morte, vai chegar no tempo certo. E agora, passada essa vontade de escrever meu obituário, e de encontrar a morte ao abrir a porta ou no banheiro, enfim, resolvi viver com responsabilidade e qualidade, uma vida saudável, talvez tardiamente, mas o importante é que estou mudando o meu cardápio, meus conceitos, minha alimentação e só falta acabar com o sedentarismo, aí acho que o restante será a vida que se encarregará, pois se eu morrer amanhã, vivi hoje com qualidade e se morrer daqui há alguns anos vou ver o quanto é possível mudar em qualquer fase da vida, basta querer. Agora quanto ao medo de morrer esse é comum em muitas pessoas doentes ou não, algumas pessoas não estão doentes, mais nem sai de casa por conta das mortes e violência mostradas no noticiário, então a morte é algo que está no imaginário, assim como o medo e quando se juntam piora a situação. Convido todos a refletirem seus medos, a morte e a vida, e o quanto gosta de viver a partir daí, dependendo da sua vontade de viver será o seu combustível para superar as mazelas da vida, que por vezes culminam na morte.

Elaine Marcelina
Rio, 15/4/2013.